piso radiante
24 fevereiro 2023

Porque é que com uma instalação de piso radiante tenho uma divisão quente e outra fria? Conselhos e causas.

As instalações de piso radiante são conhecidas pela distribuição homogénea do calor por toda a superfície do pavimento da habitação.

A sua configuração permite, de facto, ter todas as partes da superfície do pavimento à mesma temperatura, evitando assim os fenómenos convectivos típicos das instalações com radiadores ou ventiloconvectores.

Dimensionamento do piso radiante: a importância do projeto

A fim de obter esta uniformização, é importante que cada anel seja atravessado pelo caudal correto de fluido vetor, de forma a que a troca de energia com a argamassa seja adequada às exigências de cada espaço.

Quando é elaborado um projeto para uma instalação de piso radiante, para além do caudal e da perda de carga gerais do coletor, são também indicados os valores do caudal para cada circuito, um parâmetro fundamental para permitir um balanceamento correto.

Temperatura de ida regulada com os coletores de distribuição

A fim de satisfazer a necessidade de definir os caudais corretos para cada circuito, foram projetados coletores específicos para este tipo de instalação.

De facto, no coletor de ida, no lugar do tradicional sistema de regulação de veio, são utilizados caudalímetros de leitura, ou seja, dispositivos com uma escala graduada que indica os litros por minuto que atravessam o anel.

Para ser possível modificar o valor do caudal, basta rodar o manípulo de regulação até que o indicador se posicione no valor desejado. O coletor de ida possui caudalímetros e válvulas de regulação de caudal incorporadas. Por meio da válvula de regulação com obturador cónico específico, o caudal pode ser ajustado com precisão, para cada circuito, no valor desejado, que é lido diretamente em cada caudalímetro com uma escala de 1÷5 l/min. Desta forma, simplifica-se e acelera-se a operação de regulação do circuito, sem a necessidade de gráficos de referência. Após a regulação, a válvula pode ser bloqueada na posição de abertura por meio da tampa antiadulteração (que, quando invertida, também funciona como manípulo para regulação do caudal), com a qual está equipada. A mesma válvula permite realizar o fecho hermético de cada circuito, se necessário.

Sistemas desequilibrados, sem informação de projeto: o que fazer?

Também é possível depararmo-nos com casos de instalações existentes que não estão devidamente balanceadas, onde nem todos os espaços atingem a temperatura de conforto e, muito frequentemente, já não existe o projeto original para se poder determinar os caudais a definir.

Nestes casos, pode ser utilizado um método empírico, ou seja, baseado numa hipótese típica de instalações de piso radiante: o salto térmico entre ida e o retorno, que deve permanecer entre 5 °C e 8 °C.

Com a ajuda de uma câmara térmica ou dos termómetros de fixação rápida série 675, é possível verificar os anéis onde estes limites são excedidos.

Salto térmico inferior a 5 °C

Um salto térmico inferior a 5 °C é normalmente um sintoma de caudal excessivo, sendo que nestes anéis é, portanto, necessário diminuir a quantidade de fluido, trazendo o indicador para um valor inferior na escala, favorecendo assim outros anéis servidos de forma escassa.

Salto térmico superior a 8 °C

No caso de um Δt superior a 8 °C, por outro lado, o problema seria de caudal insuficiente; neste caso, será necessário aumentar o valor de regulação do circuito.

Obviamente, a eficácia desta regulação empírica será obtida após algumas tentativas, uma vez que o tipo de sistema é lento a adaptar-se às modificações e, portanto, não permite uma avaliação imediata da correção da alteração implementada.

DESCUBRA OS NOSSOS COMPONENTES PARA PISO RADIANTE

Categorias em que aparece
Comentários a publicações do blog