12 Julho 2019

Reciclagem de embalagens se torna um ativo (ambientalmente sustentável)

Na Caleffi, produzimos mais de 100 toneladas de resíduos de embalagens que não podem mais ser usadas, consistindo de papelão e filme de polietileno. Esse peso equivale a volumes significativos que precisam ser gerenciados e, antes da mudança, a “números” anuais que para esse fim assumem uma certa importância: em aproximadamente 60.000 m² de área interna, as empilhadeiras usadas para esvaziar os contéineres cobriam 3.000 km, milhares de euro foram gastos na entrega de resíduos para aterros, milhares de horas de trabalho foram gastas e áreas improdutivas foram ocupadas.

Como surgiu essa necessidade?
Transformámos um hábito em uma oportunidade, começando, ouvindo e observando os trabalhadores: a questão fundamental que precisava de uma resposta era “porquê transportar 30 kg de material em um metro cúbico quando conseguimos transportar 10 vezes mais no mesmo volume”? Como podemos transformar resíduos de produção em valor, embora induzidos, para o cliente? O investimento que se seguiu levou a empresa a dar alguns passos em direção ao respeito consciente pelo meio ambiente.

Como os resíduos de embalagens foram gerenciados antes da mudança?
A empresa coletou papelão e polietileno separadamente em dois tipos diferentes de contêiner distribuídos por todas as áreas de produção. Então um serviço diário de empilhadeira os esvaziou no ponto de coleta. O operador de descarte elevou os contêineres pelo menos uma vez por semana.
Observando o compromisso que a atividade exigia em termos de frequência de transferência, distâncias percorridas e o conteúdo dos contêineres manipulados, descobrimos que a relação volume / peso do material transportado era muito baixa. E assim aproveitamos a oportunidade para melhorar.

Como reprojetamos o gerenciamento de resíduos?
Conseguimos reduzir o volume para o mesmo peso usando prensas de compactação no ponto onde o lixo é criado. Primeiro, fizemos um mapa dos pontos de coleta e a quantidade de material para cada um, com a intenção de agrupar alguns para obter volumes significativos, o que significaria menos distribuição de prensas e reduziria o manejo diário a não mais do que uma semana. Desta forma, encontramos o poder de compressão das prensas e, acima de tudo, onde instalá-las dentro da área de produção.
Um passo crucial foi o período de testes de aproximadamente 4 meses, com prensas de diferentes capacidades e premissas. Isso era inevitável porque envolve diretamente as pessoas diariamente para avaliar os benefícios (e sucesso) de introduzir tal mudança. Em 9 meses do que começou como apenas uma ideia, Caleffi instalou 21 compactadores em suas plantas de produção.

Como medir os benefícios?
Para um programa de reciclagem dessa magnitude, o retorno sobre o investimento era essencial. As metas estabelecidas pela Divisão de Logística foram:

  • economizar pelo menos 60% das horas de trabalho necessárias para a eliminação de resíduos;
  • reduzir o deslocamento do transporte interno em pelo menos 70%;
  • reduzir pontos de entrega de recolha separada em pelo menos 60%;
  • ter um retorno financeiro da venda de material reciclado.

O melhor resultado? Reciclar 100% dos resíduos de embalagens nos permite economizar pelo menos 300 toneladas de emissões de CO2 na atmosfera (o equivalente a 2000 árvores), um aspecto especialmente importante para a sustentabilidade ambiental.

Os dados obtidos até o momento são animadores: em 5 meses passamos de 35 para apenas 3 entregas, para a satisfação dos usuários internos que viram uma melhora em suas atividades.
Partindo de uma ideia que por si só pode parecer trivial, surgiu um projecto com aspectos que consideramos importantes: não só a melhoria contínua reduziu o “desperdício” em termos de valor para o cliente, como também apoiamos a sustentabilidade ambiental e perseguimos objetivos tão importantes para a política da empresa quanto para a comunidade no sentido mais amplo possível.