22 novembro 2018

DISCALSLIM® - A solução compacta para a separação de ar

Como se pode imaginar, os separadores de ar são volumosos e nem sempre é fácil encontrar um espaço conveniente para a sua colocação, especialmente em caldeiras murais.
A solução para este problema é o DISCALSLIM®, o novo separador de ar compacto e ajustável da Caleffi.

Compacidade e adaptabilidade tornam este novo componente na solução ideal para instalação em espaços reduzidos, quer em tubagem vertical quer horizontal, desde que a câmara de separação de ar seja sempre mantida na posição vertical.

O DISCALSLIM® apresenta um perfil interno específico capaz de desviar uma parte do fluxo para a câmara de separação de ar. Aqui o fluido desacelera e é repartido por hastes, presentes nas câmaras secundárias, que provocam turbulência. Graças a estes minivórtices, as microbolhas de ar presentes no fluxo separam-se, recolhem-se na parte inferior da câmara e, depois de serem agregadas em bolhas maiores, voltam a subir através de condutas de descarga colocadas ao lado da boia. O ar recolhido no interior da câmara permite que a boia interna, à qual está ligada a haste, desça a sua posição. Este movimento provoca a abertura do purgador de ar automático e a descarga do gás acumulado. O DISCALSLIM® também é dotado de uma tampa higroscópica de segurança para prevenir quaisquer fugas de fluido.

RECOMENDAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO
Para proteger a instalação, o dispositivo deve ser instalado na tubagem de ida, de modo a que possa intercetar as microbolhas de ar antes que danifiquem o sistema.


PARTICULARIDADES DE CONSTRUÇÃO
O DISCALSLIM® possui uma tampa higroscópica de segurança com discos especiais em fibra de celulose que expandem em contacto com a água. Este sistema permite evitar fugas de fluido e consequentes danos. Além disso, é possível aceder à câmara de separação de ar para manutenção e limpeza do dispositivo. Removendo a tampa, poderá extrair-se também o completo mecanismo de abertura da via de descarga do ar.


A TEORIA: O TRATAMENTO DA ÁGUA
O tratamento da água tem um papel fundamental para a eficiência e manutenção das instalações de climatização. Todavia, não se deve pensar apenas em condicionamento físico-químico, mas também mecânico que se traduz em funções como a separação de sujidade e separação de ar do fluido que circula no interior do sistema. A separação do ar é essencial para prevenir ruídos ou descompensações térmicas nos terminais e, sobretudo, para evitar a manifestação de fenómenos como a corrosão e a cavitação, que reduzem bastante a vida dos componentes, para além da própria instalação.

A corrosão por oxidação é uma reação química que ocorre na presença de oxigénio e que comporta a permuta de iões de ferro entre o fluido vetor e os componentes metálicos com o qual contacta. Esta reação causa perfurações na tubagem e nos componentes, para além da formação de magnetites e impurezas que podem obstruir os permutadores, bloquear o rotor magnético de novas bombas, ou bloquear as passagens mais pequenas das válvulas, comprometendo o seu funcionamento.
A cavitação, pelo contrário, é um fenómeno puramente mecânico que depende de passagens contínuas de estado que ocorrem no interior do circuito fechado. O aquecimento que o fluido sofre nos permutadores de calor faz com que o ar dissolvido se separe da água, transformando-se em microbolhas de vapor. Na proximidade das turbinas das bombas, ou na passagem através dos componentes de regulação, estas microbolhas sofrem uma nova alteração do estado, devido à desacelaração e à moficação da pressão, que as leva a implodir, danificando os próprios componentes.
Frequentemente, pensa-se que é suficiente ter cuidado durante o enchimento do circuito, mas, na realidade, ainda que este seja um ótimo ponto de partida, não é suficiente para evitar que se criem bolsas de gases. De facto, o ar entra no sistema com a água de enchimento, dissolvido no seu interior.
A instalação de purgadores de ar automáticos permite eliminar seguramente as bolsas que se formam através da união das microbolhas. Estes componentes, infelizmente, trabalham corretamente apenas nas “zonas de calmia”, como os segmentos onde o fluido tem uma velocidade reduzida ou mesmo inexistente, ou no topo das colunas, ou seja, onde o ar presente já atravessou uma parte do sistema e dos seus componentes.

Para remover, de forma ideal, o ar da instalação, é necessária a utilização de dispositivos específicos: os separadores de microbolhas de ar são dispositivos capazes de separar os gases do fluido vetor e de os expelir do circuito. São projetados com um aumento específico da secção de passagem que permite a desaceleração do fluido, de modo a que as microbolhas possam fundir-se, aumentando o seu volume, até que o impulso hidrostático seja capaz de as separar da água. Para aumentar este efeito, no interior do separador de ar, existe uma rede metálica em forma de leque capaz de criar movimentos em vórtice, que favorecem a libertação das microbolhas. Uma vez separados do fluido, os gases sobem em direção à parte superior do componente, de onde são expulsos do sistema graças a um purgador de ar automático.
 

CONHEÇA AS FASES DE INSTALAÇÃO DO DISCALSLIM®